sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Aplicação da matematica na copa do mundo


A Copa do Mundo de 2014 injetará R$ 142,39 bilhões em investimentos na economia do país, segundo a pesquisa Brasil Sustentável: impactos Socioeconômicos da Copa do Mundo 2014, da consultoria Ernst & Young Brasil, desenvolvida em parceria com a FGV Projetos.
Do total de investimento direto, 42% virá do setor público e 58% do setor privado.
O Rio de Janeiro será o município que mais terá de investir para a Copa. O total previsto é de R$ 1,97 bilhão e a estimativa é que a evento deva trazer um impacto direto sobre o PIB da cidade de R$ 987, 4 milhões.
De acordo com o estudo, serão gerados 3,63 milhões de empregos ao ano entre 2010 a 2014. Neste período, haverá um acréscimo de R$ 63,48 bilhões de renda para a população.
Para os cofres públicos, o evento também será vantajoso, resultando em um adicional de R$ 18,13 bilhões na arrecadação entre 2010 e 2014. O impacto direto sobre o PIB será de R$ 64,5 bi em quatro anos, o que representa 2,17% do PIB projetado para 2010, de R$ 2,9 trilhões.
Quanto ao turismo, o mundial poderá causar um crescimento de até 79% no fluxo de turistas estrangeiros para o Brasil, gerando uma receita adicional de R$ 5,94 bilhões para o setor.
No período, o número de turistas estrangeiros deve crescer em 2,98 milhões de pessoas. Se não houvesse a Copa, a estimativa é que 6 milhões de turistas visitassem o país somente em 2014, mas com o evento o número deve chegar a 7,48 milhões.
Das 31 obras previstas em aeroportos para a Copa do Mundo da FIFA 2014, cinco (16%) já estão prontas. São duas em Guarulhos (SP), além de intervenções em Campinas (SP), Porto Alegre (RS) e Cuiabá (MT). Treze obras, que correspondem a outros 42% do total, estão em andamento. Há seis em fase de licitação e sete na etapa de elaboração de projetos. Os dados constam do Terceiro Balanço do governo federal referente aos empreendimentos da Copa do Mundo, com informações consolidadas em abril de 2012 e divulgado nesta quarta-feira, 23.05.
As iniciativas atualmente em curso abrangem dez das 13 cidades: Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Manaus, Natal, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Campinas. A previsão é de que até o fim do ano que vem 84% dos empreendimentos (26) sejam concluídos. Os cinco últimos tem previsão de finalização no primeiro semestre de 2014. As obras incluem novos terminais de passageiros, módulos operacionais, ampliação de pistas e pátios de aeronaves, além de novas torres de controle.
Ao todo, são R$ 7,35 bilhões em investimentos, com R$ 3,73 bilhões em recursos federais e R$ 3,61 bilhões em aportes privados, a partir das concessões dos terminais de São Gonçalo do Amarante (RN), Guarulhos (SP), Campinas (SP) e Brasília (DF). A previsão é de que a capacidade dos 13 aeroportos salte de 141 milhões de passageiros por ano (dados de 2011) para 259 milhões de passageiros ao ano em 2014.





 
Vantagens 
Trabalho para presos e ex-detentos
Na cerimônia, também foi assinado um acordo entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Ministério dos Esportes e o Comitê Organizador da Copa (COL) para a contratação de presos, pessoas que cumprem penas alternativas, ex-detentos e adolescentes em conflito com a lei nas obras e serviços necessários para a realização do Mundial nas 12 capitais brasileiras que sediarão os jogos. O texto prevê que 5% das vagas de trabalho sejam destinadas para esses casos e visa à ressocialização dos que passaram pelo sistema carcerário

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário